sexta-feira, 22 de junho de 2012

Pesquisa mede capacidade de redes sociais influenciarem as ações de amigos

 


 
O que faz uma pessoa adotar determinado comportamento nas redes sociais? Como identificar os usuários influentes e também os influenciáveis? E o mais importante: como utilizar tais informações para vender, com sucesso garantido, uma ideia ou um produto? Dois pesquisadores da Universidade de Nova York desenvolveram um método que, segundo eles, é capaz de responder a essas perguntas por meio de estimativas precisas. Publicado na revista Science de hoje, o estudo propõe uma fórmula matemática para entender como a teia de influências funciona no ambiente virtual.

“Compreender o contágio social — como certos comportamentos são disseminados nas redes sociais — é fundamental para traçar estratégias de intervenção que possam promover ou conter qualquer comportamento em uma população”, afirma Sinan Aral, autor do estudo e PhD em sistema de informação pelo Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), nos Estados Unidos. Segundo ele, o novo método pode ser utilizado para uma enorme gama de funções, que vão de campanhas eleitorais a promoção da saúde pública. Para chegar ao resultado desejado, o pesquisador realizou um experimento de 44 dias com 1,3 milhão de pessoas no Facebook por meio de um aplicativo desenvolvido especialmente para a análise por uma empresa parceira.

Com isso, os pesquisadores chegaram a algumas conclusões gerais. As principais foram: homens são mais influentes que as mulheres, mulheres influenciam mais os homens do que outras mulheres, pessoas mais velhas são mais influentes e menos suscetíveis do que os mais jovens e, por fim, pessoas casadas são as menos suscetíveis em adotar o produto em questão.

Fonte : Correio Braziliense

Nenhum comentário:

Postar um comentário