quarta-feira, 26 de junho de 2013

Debate, transmitido ao vivo, vai discutir manifestações populares

Nesta quarta-feira, a partir das 15 horas, o Partido Socialista Brasileiro (PSB) Nacional e a Fundação João Mangabeira (FJM) vão realizar, em Brasília, o debate "A voz das ruas" sobre o significado, a importância e a dimensão das manifestações populares que já levaram milhões de pessoas às ruas em mais de 100 cidades do país.

Quem não puder comparecer ao local poderá assistir ao vivo pela TV João Mangabeira: http://www.tvjoaomangabeira.com.br.


Desde o dia 11 de junho manifestações populares vêm acontecendo por todo o país. O movimento começou em protesto contra o aumento das tarifas de transportes coletivos em diversas localidades e evoluiu para uma discussão nacional sobre reforma política.

Para o primeiro Secretário Nacional do PSB e presidente da Fundação do partido, Carlos Siqueira, essas manifestações são um fato novo e extremamente importante no cenário nacional. “É a primeira vez no Brasil que vemos reivindicações legítimas e grandes manifestações em massa não terem os partidos dirigindo os movimentos. Algo que precisamos debater e analisar com profundidade para entender o que está, definitivamente, acontecendo no país”, comentou.

O debate terá como convidados a diretora do IBOPE, Márcia Cavallari Nunes, o professor e pesquisador do Núcleo de Pesquisas em Políticas Públicas da USP, Leandro Piquet Carneiro, e o sociólogo Jessé de Souza, professor da Universidade Federal de Juiz de Fora, em Minas Gerais.

Mais informações no site do PSB: http://www.psb40.org.br/not_det.asp?det=4079

Foto: Divulgação (Manifestação na Avenida Paulista, em São Paulo)

segunda-feira, 24 de junho de 2013

O papel da Comunicação para o desenvolvimento sustentável

O Partido Verde fez um seminário para discutir a comunicação e melhorar a difusão de informação. Para quem não pôde comparecer, é possível assistir ao vídeo na Wev TV do PV. O vídeo resume tudo o que foi discutido no seminário sobre o "Papel da Comunicação para o desenvolvimento sustentável''.



sexta-feira, 21 de junho de 2013

Pró Empresa transmite Suprema Congregação do GOB


Acontece durante este final de semana, a partir de sexta feira (21.06), às 17horas, a abertura da Suprema Congregação do Grande Oriente do Brasil (GOB).

O evento será realizado no Templo Nobre do Palácio Maçônico, Jair Assis Ribeiro, onde é localizada a sede do GOB, em Brasília, e pretende reunir maçons de todo o país.

Para quem não puder comparecer haverá a oportunidade de assistir on line todas as cerimônias. Os eventos serão transmitidos ao vivo pela web TV do GOB, no endereço: http://www.gob.org.br/tv/

Acompanhe a agenda de transmissão:

Sexta-feira / das 17h às 19h
Abertura da Suprema Congregação

Domingo / das 16h às 18h
Diplomação do Soberano Marcos José da Silva

Segunda-feira / das 19h às 21h
Cerimônia de transmissão de cargo

Acesse!
 

Audiência aproxima Amapá de empresas petrolíferas

A deputada Janete Capiberibe participou de audiência pública para debater a exploração de petróleo na bacia amazônica, na costa do Amapá. Ela propôs a criação de um comitê gestor, sob coordenação do estado e a participação d sociedade civil para acompanhar o trabalho das empresas vencedoras. "Que tenham um controle sobre o que acontece com o Meio Ambiente", declarou.

Assista o vídeo completo na TV da Janete Capiberibe: 



quarta-feira, 19 de junho de 2013

Tecnologia pode transformar fumaça em energia e diminuir emissão de poluentes

Estudo do físico brasileiro Joner de Oliveira Alves mostra que é possível transformar fumaça em tubos de carbono. Gases emitidos pela queima do bagaço de cana de açucar, resíduos de milho, pneus velhos e garrafas PET agora podem ser utilizados na fabricação de nanotubos de carbono. A queima desses resíduos também pode reduzir em até 90% a quantidade de detrito gerado, o que evita a deposição em lixões. “Essa tecnologia evita que os gases poluentes sejam lançados na atmosfera. “A ideia é valorizar a cadeia de reciclagem energética porque o Brasil precisa de fontes de energia limpas, sem usar recursos naturais não renováveis, como o petróleo. E ainda é possível atingir outra cadeia, que é a indústria de nanotecnologia”, afirmou o cientista em entrevista à INFO (da editra Abril).



Na técnica desenvolvida por Joner, os resíduos são primeiro aproveitados para a geração de energia. A diferença é o aproveitamento dos gases resultantes da saída do processo. Isso ocorre porque o carbono encontrado nos gases foi usado para a fabricação dos nanotubos. O que resta do processo é o hidrogênio, um gás não poluente que pode ser liberado na atmosfera.

Os resíduos são incinerados em um forno e depois filtrados, o que resulta apenas em gases. Depois, um catalisador quebra os hidrocarbonetos dos gases em carbono e hidrogênio. O carbono fica retido na forma sólida, como um pó de grafite, onde são encontrados os nanotubos. Já o hidrogênio é lançado na atmosfera, mas é um gás limpo, que não polui o ar.

Os nanotubos de carbono tem um diâmetro corresponde a um nanômetro, ou seja, um bilionésimo de metro (10-9 metros). Apesar do vasto campo de potenciais aplicações, ainda não existem no Brasil empresas que produzem esses materiais em larga escala. A indústria cosmética é a que mais tem investido nesse tipo de material. “Como os nanotubos são partículas muito pequenas, conseguem penetrar em camadas da pele que outras substâncias não alcançam".

A pesquisa já rendeu ao físico seis prêmios, sendo o último deles o Prêmio AEA (Associação de Engenharia Automotiva) de Meio ambiente.

Ainda está caro

Sobre a aplicação prática do projeto, Joner ressalta que é preciso baixar o preço dos nanotubos. Também é preciso adaptar locais onde a queima de resíduos já é feita para a geração de energia, como no caso das usinas de açúcar e etanol.


Fonte: Planeta Sustentável
Imagem: Divulgação

sexta-feira, 14 de junho de 2013

Facebook vai habilitar recurso de hashtag

O Facebook noticiou na última quarta-feira (12) que está lançando o recurso de hashtags em seu feed de notícias. Elas serão azuis e redirecionarão o usuário para uma página de pesquisa com outras publicações que incluem a mesma hashtag.

As hashtags ficaram famosas por causa do Twitter e hoje são usadas em outros sites de redes sociais, como Instagram, Pinterest e Tumblr. O recurso da hashtag é transformar temas e frases em links “clicáveis” em sua timeline ou página. Elas também tornam seu post “pesquisável”.

"Até o momento, não houve uma maneira simples de ter uma visão ampliada do que está acontecendo ou o que as pessoas estão falando", diz Greg Lindley, gerente de produto do Facebook. As hashtags, diz ele, ajudarão a deixar mais conversas em primeiro plano. 
Como parte do lançamento, o Facebook diz que você também será capaz de clicar em hashtags que se originaram em outros serviços, como o Instagram, que é de propriedade do FB. Recursos adicionais, incluindo "trending hashtags", ou seja, uma compilação das hashtags mais mencionadas naquele momento, também deve ser lançado em um futuro próximo.

Recurso não afetará privacidade
Em outros sites, as hashtags ficam abertas a todos. No Facebook, elas não afetarão a privacidade da conta: se suas configurações de privacidade estão definidas para que somente amigos leiam as publicações, por exemplo, apenas seus amigos poderão vê-las, mesmo que haja hashtags.
Um alerta: se você usar uma hashtag em um post que publicou e quer que ele seja acessível a todos, lembre-se que sua configuração de privacidade mais recente é aquela que o Facebook deixará como padrão para as mensagens seguintes, a menos que você as modifique novamente.

segunda-feira, 10 de junho de 2013

Pró Empresa está nas redes sociais

A Pró Empresa está conectada às redes sociais. Em nossas páginas do twitter e facebook você pode acompanhar notícias rápidas sobre transmissões, WEB TVs e produções. Além disso procuramos divulgar notícias de tecnologia e curiosidades.


Nossas páginas

Site da Pró: www.proempresa.inf.br


quarta-feira, 5 de junho de 2013

Adobe coloca softwares na nuvem

A inovação Creative Cloud, da Adobe, já está no ar. Desde 6 de maio, quando a empresa anunciou o fim do famoso pacote Creative Suite (CS), os usuários de softwares da Adobe vêm se adequando à nova realidade. Agora não será mais preciso comprar pacotes atualizados. Por outro lado, haverá uma mensalidade para usar as ferramentas de Photoshop, Illustrator, InDesign, Premiere, etc.




Apesar de se chamar "cloud", o sistema não será usado online. O usuário que pagar a mensalidade terá acesso à nuvem de onde poderá baixar os softwares para sua máquina. Sempre que houver atualizações, será possível fazer download sem pagar a mais por isso.



Quem já possuiu licença terá um desconto: ao invés de pagar os R$ 100 (US$ 49) cobrados de novatos, pagará R$ 60 (US$ 29,90). Isso para utilizar todo o pacote. Para ter acesso a apenas um dos softwares a mensalidade cai para R$ 40 (US$ 19,90).



A Adobe informou que por hora os programas CS6 não deixarão de ser comercializados.



Fonte: Techtudo.